quinta-feira, março 15, 2007

O que diabos é “saroba" (versão para o rondoniaesporte.com.br)

Camaradas, começo a crônica de hoje com uma correção. É que num escrito anterior, intitulado “Pastinha, Gilberto e Hendrix”, dei a entender que mestre João Pequeno já teria morrido. Ora, como todos sabemos, ele contiua jogando capoeira do alto de seus quase 90 anos de idade.
* * *
Feita a correção, gostaria agora de tecer comentários sobre um termo que é muito utilizado no meio capoeirístico. Trata-se do adjetivo "saroba", utilizado para depreciar o jogo de um camarada. Dando uma olhada nos significados que tal palavra possui podemos colocar em evidência certos valores introjetados por nós no meio da brincadeira.
O Dicionário de Capoeira, da autoria de Mano Lima, dá o seguinte significado para o termo: “O mesmo que sarandage. O capoeira que sabe apenas alguns rudimentos e joga feio, com movimentação desfigurada.”. A fonte seria o clássico livro de Waldeloir Rego sobre a capoeira angola.
Em outra crônica, já escrevi que um capoeirista paraense me disse que jogava num grupo sarobeiro até a sua mudança para o grupo de um professor vindo do Rio de Janeiro que tinha dado porrada nos seus companheiros, mostrando um novo jeito de gingar e jogar. No meu blog capoeira, li um comentário de um cidadão que diz que grupos que não jogam benguela já estão sendo chamados de sarobas.
Nos anos 90, aprendi que tal palavra podia ser entendida como o antônimo de "sarado", termo emprestado do ambiente das academias de musculação e que designa a pessoa que tem um corpo trabalhado, musculoso. Seria o modelo do que todos os malhadores da academia -- ou pelo menos grande parte deles -- queria ser.
Assim, se sarado designava, na academia de musculação, uma pessoa cujo corpo malhado estava dentro de um padrão estético desejado por todos; na capoeira, saroba seria aquele cujo jogo não corresponde a um determinado padrão estético e esportivo estabelecido por uma fonte de prestígio inquestionável.
Acontece que, de 1968 – ano em que Rego escreveu seu livro – para cá, o meio da capoeira se modificou muito. A nossa brincadeira passou a ser ensinada por todas as regiões do país dentro de escolas ou de academias de ginástica. E isso pode ter modificado o significado tradicional daquele termo.
Com a penetração da capoeira em novos ambientes de ensino e uma segunda onda de esportivização acontecida nos anos 60 -- que levou a uma modificação da estética da vadiação --, o ensino em academias passou a ser mais valorizado.
Assim, aprender capoeira na rua ou na roda, do jeito tradicional, passou a ser algo desprestigioso e o significado de saroba passou a englobar também um jogo visto como antiquado se comparado ao novo padrão estético e esportivo da capoeira criado nas academias de São Paulo e da zona sul do Rio de Janeiro.
* * *
O termo saroba também é utilizado como marcador de identidade grupal, denotando uma visão muito fechada de capoeira, que não aceita a diversidade existente dentro da vadiação.
Já treinei em alguns grupos que tinham uma visão de capoeira mais voltada para a luta e para o esporte. Me lembro de que o mestre, nos batizados, nos chamava de "atletas" e, em algumas conversas depois dos treinos, nos estimulava a virarmos lutadores de capoeira. Lembro que colegas meus me falaram para não jogar sorrindo e fechar mais a cara para mostrar que eu era mau.
Nesse ambiente, saroba era muito usado, e deixava passar um preconceito muito grande. Geralmente era um adjetivo usado contra capoeiristas de outro grupo ou contra um outro grupo como um todo. Era um artifício para criar uma identidade: éramos um grupo de sarados contra todos os outros, sarobas.
E saroba era utilizado para designar aquele capoeirista que não tinha uma certa estética de jogo -- a ginga plástica, os golpes estendidos, os floreios emprestados da ginástica olímpica, a velocidade meio neurótica. Era uma coisa associada a ser antiquado, a estar fora de moda, a um jogo bruto, no sentido de não-cultivado dentro de um grupo de capoeira ou de uma academia decente.
É isso aí! Até a próxima, camaradas!

3 Comments:

Blogger Perassi said...

Interessante Camarada!!
Realmente o termo Saroba é muito utilizado, normalmente o grupo X chama o Y de saroba e vice-versa.

No primeiro grupo que eu treinei, existia um rigor muito grande a respeito de roupa, jogo, berimbau, tudo... Se alguém aparecesse com uma calça diferente, saroba, um berimbau pintado, saroba e por ai vai!!

Eu até uso muito o termo também, mas a respeito de certas pessoas que afundam a capoeira, não sabem nada, se auto-intitulam mestres e saem por ai batendo em alunos, fazendo rodas publicas com pancadaria e coisas pra vangloriar o ego e apenas isso!!

9:34 AM  
Blogger Exper Aguiar said...

Olá. desculpe por estar comentando num post tão antigo, mas acho que devo me pronunciar.

cheguei aqui pesquisando o significado de "saroba", uma expressão que ouvi pela primeira vez ontem, numa roda em salvador com vários mestres e professores, em que todos ou quase todos mostraram desconhecimento da expressão, enquanto aquele que a utilizou o fez com orgulho.

"isso não é nem regional nem angola. Que contemporanea, rapaz? isso é invenção dos cara lá do Rio. A gente aqui é sarobeiro. É, sarobeiro é isso ai ó, que joga capoeira de saroba, é isso mesmo"

agora, lendo seu texto, percebi muito uma questão de "estética" e "fonte inquestionável".
Sinceramente, até essa inquestionabiliadde da fonte é questionável.

O que se vê, pelos olhos dos baianos (os que eu conheço) são vários robôs jogando igual, com excesso de força e sem técnica criativa, apenas habilidades estanques e bonitinhas. Capoeira pra gringo ver.

Creio que saroba, a partir das info que colhi, siginifica "ser individual e coletivo", isto é, jogar de maneira única e individual, sem deixar de fazer parte de uma coletividade. O Sarobeiro de Salvador consegue fazer amizade e bater nos outros com o mesmo tipo de jogo, as vezes até ao mesmo tempo.

Essa é a minha opinião. :D
abrss

7:02 PM  
Blogger Moreno capoeira said...

Muito interessante seu comentário, Exper! Pelo que você escreveu, dá para perceber o que vem acontecendo é que o significado do termo "saroba" acabou ganhando um sentido positivo para muitos grupos de capoeira que não se identificavam com a estética de jogo reputada como eficiente ou atlética. É isso aí, o mundo da capoeira é dinâmico: para cada golpe existe um contragolpe. Não compactuo de maneira nenhuma com uma capoeira homogênea: creio que cada grupo e, no limite, cada capoeirista deve procurar desenvolver um estilo próprio, de acordo com suas capacidades e concepção de capoeira.
Um abraço,
Moreno

1:54 PM  

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home